Visitantes


contador de visitas

12/16/2012










TDAH e co-morbidades


Esquecimentos, problemas com memória, distração...  Até pouco tempo atrás, quando alguém "aparentemente normal" não conseguia se concentrar, lembrar do que devia ser feito, perder prazos ou concluir tarefas, pensava-se tratar de desinteresse, falta de esforço, ociosidade, vagabundagem, desleixo, indolência, preguiça, até mesmo malandragem. Hoje, sabe-se que muitas destas pessoas podem sofrer do TDAH - Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade.

Estima-se que cerca de quatro milhões de adultos no Brasil são vítimas do TDAH. Esse distúrbio, que associa a desatenção e a impulsividade com a hiperatividade, é capaz de afetar a qualidade de vida, trazer problemas de relacionamento na vida pessoal, conjugal e profissional tanto em adultos quanto em crianças. Se não tratada adequadamente na infância pode trazer sérios problemas para a vida adulta entre elas a co-morbidade (outras disfunções que acompanham o TDAH).

Co-morbidade é um termo utilizado para descrever a ocorrência simultânea de dois ou mais problemas de saúde em um mesmo indivíduo. Esse é um fenômeno freqüente na prática clínica, e sua identificação é um fator importante que afeta tanto o prognóstico dos pacientes como a conduta terapêutica.

São as co-morbidades que dão o colorido especial a cada portador de TDAH, muitas vezes dificultando ou mascarando seu diagnóstico. Na vida adulta de um TDAH, as co-morbidades são muito freqüentes, atingindo mais de 50 % dos portadores, muitas vezes com mais de uma co-morbidade. O TDAH pode vir acompanhado de: Transtorno de Ansiedade, Transtorno de Aprendizado, Transtorno Depressivo, Transtorno de Humor Bipolar, Transtorno Opositivo - Desafiador, Transtorno de Conduta entre outros.

O TDAH se caracteriza pela tríade: Hiperatividade, Impulsividade e Desatenção. Os três sub-tipos podem se combinar de várias maneiras com qualquer uma das co-morbidades.

As pessoas com TDAH apresentam, ainda, uma maior tendência em abusar de drogas. O índice pode chegar a 50%. No caso do tratamento de dependentes químicos, é fundamental investigar se há diagnóstico de TDAH. A presença de TDAH dobra o risco para o desenvolvimento de abuso/dependência de substâncias ao longo da vida, e ambos os transtornos influenciam-se mutuamente, o que traz implicações para o diagnóstico, o prognóstico e o tratamento de ambos os transtorno. A pessoa pode utilizar-se de bebidas alcoólicas, maconha e tranqüilizantes como forma de anestesiar seus pensamentos negativos, sua depressão, sua agitação e sua ansiedade crônica.

Estudos epidemiológicos realizados em crianças portadoras de TDAH documentam incidências elevadas de distúrbios psiquiátricos co-mórbidos, incluindo Transtornos Disruptivos de Comportamento (Transtorno Opositivo Desafiador, Transtorno de Conduta, Transtorno de Personalidade Anti-social); Transtorno de Aprendizagem Escolar, Distúrbio da linguagem: Transtorno de Ansiedade: Transtorno do Humor e Transtorno de Tics.

Além desses, outros transtornos podem também serem observados com certa freqüência como, por exemplo, o transtorno alimentar por conta da compulsão que acomete a maioria dos portadores de TDAH.

Outros transtornos bastante comuns nesses pacientes são as fobias pelo medo de cometerem gafes, de serem criticados, ridicularizados, medo dos famosos "brancos", esquecimentos, ou por outras situações que os exponham de maneira negativa, por exemplo, na fobia social (medo de estabelecer relações sociais, falar em público), ou outras fobias como medo de avião, elevador, sangue, tempestade. Sendo comum a baixa auto-estima, a depressão e até mesmo o Pânico.

Na Adolescência e na idade Adulta os sintomas do TDAH se modificam, a hiperatividade não se apresenta mais tão visível passando a ser mais uma sensação de inquietude. No entanto, a desatenção persiste quase inalterada, embora facilmente disfarçada. Dirigir veículos, por exemplo, pode se tornar uma atividade de risco para os portadores de TDAH, que não toleram esperar, por serem muito acelerados e impulsivos apresentam dificuldades em respeitar regras e sinais de trânsito, tornando-se, por vezes, imprudentes e, portanto, mais vulneráveis á acidentes.

Por tudo isso, se faz importante o tratamento precoce. No caso do TDAH adulto é aconselhável o diagnóstico correto e o tratamento adequado tanto em relação ao TDAH, quando às co-morbidades.


              Prof. Dra. Edna Paciência Vietta

                             Psicóloga Clínica 



10/25/2012

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade



O Transtorno do Déficit de Atenção (TDAH) foi descrito pela primeira vez, em 1902, e já recebeu diversas denominações ao longo de todos esses anos. As mais conhecidas foram: Síndrome da criança Hiperativa, lesão cerebral mínima, disfunção cerebral mínima, transtorno hipercinético.
O TDAH na infância em geral se associa a dificuldades na escola e no relacionamento com demais crianças, pais e professores. As crianças são tidas como hiperativas, desligadas,”avoadas”, tumultuam a sala de aula , não se concentram na leitura, vivem no mundo da lua. Têm grandes dificuldades de fazer os deveres de casa sozinha, se distraem com facilidade, dão muito trabalho na escola, fazendo desses momentos  verdadeiras batalhas entre mãe e filho. .No entanto, quando estão fazendo algo que é do seu interesse, como ver TV, jogar videogame, etc., são capazes de ficar  hiperconcentradas, a ponto de não escutar quando são chamadas. Em geral são muito desorganizadas com seus pertences e na maneira como tentam fazer as coisas. Por isso estão freqüentemente perdendo objetos, como lápis, livros. Os meninos tendem a ter mais sintomas de hiperatividade e impulsividade que as meninas, mas todos são desatentos. Crianças e adolescentes com TDAH podem apresentar mais problemas de comportamento, como por exemplo, dificuldades com regras e limites.
O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e se não tratado freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a  vida..
Em adultos, ocorrem problemas de desatenção para coisas do cotidiano e do trabalho.. São pessoas inquietas ( que só relaxam dormindo), nunca acabam o que começam, vivem  mudando de emprego, de interesses e atividades, não se detendo em  nenhuma. Apresentam dificuldades em avaliar seu próprio comportamento e o quanto isto afeta os demais à sua volta. A pessoa deve apresentar essas características constantemente, como um padrão de comportamento são “egoístas”, sempre voltados para si mesmo. Quem convive com essas pessoas costumam dizer que elas sempre se comportaram assim
Para confirmação deste diagnóstico é imprescindível a avaliação de especialistas.
Para se falar em Déficit de Atenção é necessário  que esses sintomas tenham aparecido desde a infância. Quer dizer, se alguém passou a apresentar essas características depois de adolescente ou adulto, não se trata de Déficit de Atenção, mas provavelmente de algum outro transtorno.
No adulto, o tratamento medicamentoso associado à abordagem psicoterápica cognitivo-comportamental ajuda a controlar o transtorno.
Na criança, o tratamento é mais complexo e envolve freqüentemente equipe multidisciplinar com aplicação de medidas pedagógicas e comportamentais.
A história de vida dos adultos é marcada por insucessos acumulados ao longo dos anos. Mau desempenho na escola, repetência, suspensões, problemas no trabalho e na organização das atividades, dificuldade na escolha da profissão, conflitos conjugais, separação. A longo prazo,  gera  sentimentos de fracasso, baixa auto-estima e dificuldades para lidar com situações emocionais
É típico do TDAH estar associado a outras doenças. Nas crianças, além da ansiedade, aparecem os transtornos de conduta que não decorrem só da distração. São comuns as dificuldades de aprendizado específicas como dislexia (dificuldade para compreender o que lê), disgrafia (dificuldade para escrever), discalculia (dificuldade para fazer cálculos).
Nos adolescentes, o problema maior é a tendência ao abuso de drogas. Não existe uma explicação clara para o fato. Os estudos mostram, porém, que a partir da adolescência o uso de drogas nos portadores de TDAH é mais freqüente se comparados com os indivíduos sadios.
Dra Edna Paciência Vietta
Psicóloga Clínica

6/22/2012




                     Psicóloga Clínica/ Ribeirão Preto
                    Profa.Dra. Edna Paciência Vietta

                                                    CRP-06/65132

                 Psicóloga Cognitivo-comportamental

                                Formada pela FFCLRP-USP

                                    vietta@netsite.com.br

                    http://www.itbcr.com/profissional/viettaed23729.shtml
As crenças que temos sobre nós mesmos, sobre o mundo e sobre o futuro, determinam o modo como nos sentimos: o que e como as pessoas pensam afeta profundamente o seu bem-estar emocional “( Beck e Kuyken, 2003)

                             Psicoterapia Breve-Cognitivo-Comportamental;

                                     Individual e de Casal 


Transtornos de Ansiedade; Fobia Social, Transtorno Obsessivo-compulsivo, Pânico,Tricotilomania, Compulsões, TDAH ( Adolescentes e adultos); Depressão Transtorno Bipolar e outros Transtornos. Atendimentos: Terapia Individual e de casal (homo e heterossexual), Adolescentes (a partir de 16 anos); Adultos.



A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) foi desenvolvida, aprimorada e extensamente difundida na Europa e nos Estados Unidos nos últimos vinte anos. É caracterizada por ser muito bem estruturada, orientada ao momento presente, direcionada à resolução de problemas atuais e à modificação de pensamentos e comportamentos disfuncionais. Achados clínicos conduzidos através de vários estudos muito bem controlados, apóiam a eficácia desta forma de tratamento. Atualmente esta forma de psicoterapia vem se impondo como o principal e mais eficaz tratamento psicológico para os transtornos emocionais.

                ndereço: Rua Olavo Bilac, 805 - Vila Seixas
                            Ribeirão Preto - Brasil
                     Telefone: 55 (16) 3964 6692

4/26/2012



O TDAH Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

Nem sempre é um transtorno benigno. Isoladamente ou associado a outros distúrbios (o que é mais regra que exceção) é um fator altamente predisponente para fracasso nos estudos, dificuldades nos relacionamentos, propensão a acidentes e ao uso de drogas, desempenho profissional abaixo das reais capacidades da pessoa, além de aumentar a predisposição para diversos outros transtornos psiquiátricos.

É uma das principais causas de fracasso e conseqüente abandono escolar.

É o transtorno mais comum em ambulatórios de saúde mental de crianças.

Em ambulatórios de adultos estimativas recentes acreditam que de cada 5 pessoas em tratamento para os mais variados transtornos psiquiátricos, uma apresenta TDA/H ao lado do outro distúrbio.

4/21/2012



                                     

Finitude: ser-para-morte


“O Homem é um ser que leva o cadáver nas costas a vida inteira, pois sabe mais do que deve e menos do que precisa”. Luiz Felipe Pondé

O Homem é o único ser sobre a terra que tem consciência de sua finitude, o único, a saber, que sua passagem neste mundo é transitória e deve terminar um dia.

A Morte enquanto fenômeno psicossocial é altamente dinâmica e responsiva às mudanças no espírito do tempo, assumindo diversas representações coletivas nas sociedades ocidentais ao longo da história, conforme nos atesta a ampla documentação efetuada por Ariès, (1977).

O tema da Morte trás em si um conteúdo psicológico e emocional extenso e difícil de ser abordado de forma breve, não podendo deixar de fora os tópicos mais importantes. A Ansiedade, a Angústia, a Impotência e a Solidão com todos seus sintomas e sensações (perdas, raiva, dúvidas, expectativas, apreensões, sentimento de abandono, inseguranças, vazio existencial, etc.).

Psicanaliticamente, a morte iminente está fortemente vinculada à castração, pois ela subtrai sua possibilidade de vida. A angústia de castração é decorrente do medo de ser separado de algo extremamente valioso para o indivíduo. Porém, a experiência da morte representa a "castração por excelência", pois é irreversível e incapaz de ser compensada através de substitutos. O EU permanece absolutamente vulnerável e indefeso perante a morte.

Cada um de nós traz dentro de si sua representação ou interpretação da morte. Sendo assim damos a ela simbolismos, qualidades e formas diversas. Dependendo desta representação é que o homem enfrentará sua própria morte.
Em nossa prática clínica sentimos que a vivência da proximidade da morte, real ou imaginária, própria ou de entes queridos são as situações mais difíceis de serem elaboradas em psicoterapia. Percebe-se que esta condição humana de impacto com a Finitude vai se tornando presente na mente e no coração dos pacientes, pela associação com a própria possibilidade de separação paciente - analista. O sofrimento pela separação, sobretudo, no final de uma terapia, por alta ou interrupção, são momentos propícios para análise da postura do paciente em relação à morte, traduzidos por culpa, fuga, negação, resistência, regressão, rejeição ou aceitação, etc.
A morte é uma constante ameaça. É impossível compreendê-la ou mesmo aceitá-la com tranqüilidade. É, segundo Filósofos, Teólogos e Psicólogos, a maior Angústia do ser humano.
Para grande maioria das pessoas a morte é interpretada como, ruptura, desintegração, situação limite, desespero. No entanto, há quem a veja com certo fascínio (as grandes produções cinematográficas), uma grande viagem (produto de obras literárias), descanso ou alívio (no caso do sofrimento e da dor).
Em uma sociedade bastante ocupada em descobrir fórmulas de rejuvenescimento e em prolongar a juventude e a beleza, parece claro que não há muito espaço para conversar sobre a morte. A morte traz a dura realidade da limitação biológica: tudo possui um ciclo e o findar é parte desse ciclo.
Teoricamente a morte é um dos elementos integrantes do ciclo da vida. O indivíduo nasce, cresce, reproduz, envelhece e morre. Esse ciclo, até o envelhecimento, para a maioria das pessoas é considerado natural e aceitável, sendo o processo de morte e morrer temido e adiado.
Foram muitos os biólogos, psicólogos, filósofos, teólogos e antropólogos a investigar sobre este assunto no decorrer da história. De fato, a morte se mostra em diversos olhares. Trata-se de uma pré-ocupação fundamentalmente humana. Na perspectiva organicista, ela pode ser vista como um processo natural e inevitável, ligada a uma programação genética específica para cada espécie de ser vivo em particular. O ser humano é percebido como um material orgânico e, assim sendo, possui um “prazo de validade”. No entanto, este entendimento puramente biológico sobre a morte não parece ser suficiente para o ser humano que busca compreendê-la a partir de suposições que vão aquém e além da sua dimensão física. 
Segundo Fiefel e Nagy (1981), nenhum ser humano está livre do medo da morte, e todos os medos que temos estão de alguma forma, relacionados a ele.
Enquanto a morte não vem, o medo, enquanto defesa nos faz mergulhar em ocupações, em atividades, trabalho, lazer, falações, contendas para não termos que nos preocupar com ela. Fugimos ou negamos, fazemos de conta que não nos diz respeito.
Não obstante, a morte trás em si, a dimensão do tempo que nos dá a dimensão da finitude, revelando nossa condição de ser-para-morte,
Profa. Dra. Edna Paciência Vietta
              Psicóloga Clínica 

4/20/2012


                                             

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL




“As crenças que temos sobre nós mesmos, sobre o mundo e sobre o futuro, determinam o modo como nos sentimos: o que e como as pessoas pensam afeta profundamente o seu bem-estar emocional “ ( Beck e Kuyken, 2003)
     A terapia cognitiva (TC) foi desenvolvida por Aaron Beck no início da década de 60, na Universidade da Pensilvânia, EUA. Beck tinha como objetivo investigar os mecanismos inconscientes propostos pela psicanálise para explicar o mecanismo da depressão, a partir de estudos empíricos e observações clínicas sistemáticas. Porém, resultados de suas investigações não se mostraram compatíveis com as pressuposições psicanalíticas, levando-o a buscar outros construtos que explicassem de forma satisfatória os dados empíricos observados.
   Beck observou que humor e comportamentos negativos eram usualmente resulta de pensamentos e crenças distorcidas e não de forças inconscientes até então sugeridas pela Teoria Freudiana, ou seja, a depressão podia ser compreendida como sendo decorrente das próprias cognições e esquemas cognitivos disfuncionais. Observou que pacientes com depressão acreditam e agem como se as coisas fossem piores do que realmente são.
    Utilizando-se da base empírica da teoria da melancolia de Freud, Beck desenvolveu estudos sobre a depressão e em 2006, descobriu que sua pesquisa invalidava conceitos psicanalíticos de depressão e que sintomas desta psicopatologia podiam ser melhor explicados através do exame dos pensamentos conscientes do paciente, no lugar de tentar trazer a tona (hipotéticos) desejos reprimidos e motivações inconscientes. A partir de então, desenvolveu um tratamento para depressão de modo a auxiliar os pacientes a solucionar seus problemas atuais, mudar seus comportamentos disfuncionais e responder de forma adaptativa a seus pensamentos disfuncionais.
    As descrições dos indivíduos sobre si mesmos e de suas experiências evidenciavam pensamentos e visões negativas de si mesmos, de suas experiências de vida, do mundo e do seu futuro. Beck deu a esses pensamentos o nome de “pensamento automático”, visto que não precisam ser motivados pelas pessoas para vir à tona. Esses pensamentos são o resultado da forma do indivíduo interpretar as situações do dia-a-dia, ou seja, o que fica “gravado” como importante não é o que está acontecendo de fato, mas a interpretação que o indivíduo dá para o fato. Tais visões demonstram distorções cognitivas da realidade. As terapias designadas de terapias cognitivo-comportamentais ou (TCC), denomina-se assim porque constituem a integração de conceitos e técnicas cognitivas e comportamentais.
    O modelo teórico cognitivo-comportamental considera a cognição como a chave para os transtornos psicológicos, pois a cognição é a função que envolve deduções (pensamentos) sobre a experiência singular do indivíduo e sobre a ocorrência e o controle de sua percepção dos eventos.
    Cognição é um termo amplo que se refere ao conteúdo dos pensamentos e aos processos envolvidos no ato de pensar. São aspectos da cognição as maneiras de perceber e processar as informações, os mecanismos e conteúdos de memórias e lembranças, estratégias e atitudes na resolução de problemas. A psicopatologia é resultante de significados mal adaptativos que o sujeito constrói em relação a si, ao contexto ambiental (experiência) e ao futuro (objetivos), que juntos formam a tríade cognitiva. Na ansiedade, a visão de si é vista como inadequada, o contexto é considerado perigoso e o futuro parece incerto. Já na depressão, os três componentes são interpretados negativamente.
    A terapia Cognitiva baseia-se no pressuposto teórico de que os afetos e os comportamentos de um indivíduo são determinados em grande medida pelo seu modo de estruturar o mundo. Isto quer dizer que a visão do mundo de uma pessoa, influencia a forma como ela pensa, sente e age.
   A Terapia Cognitiva propõe que nossas emoções e comportamentos não são simplesmente influenciados por eventos e acontecimentos e sim pela forma através da qual processamos, percebemos e atribuímos significados às situações. O homem é um ser em busca constante por significados e explicações. Quando pensamos, estamos também interpretando esta realidade e a nós mesmos. A Terapia Cognitiva busca basicamente intervir sobre as cognições para modificar emoções e comportamentos disfuncionais.
Profa. Dra. Edna Paciência Vietta
Psicóloga Clínica

2/17/2012

Solidão e Pós-modernidade

                                                                                                               

            Para Bauman (1992), a modernidade foi o momento de desenvolvimento de uma ordem racional e de liberdade individual até então não alcançada. O indivíduo pós-moderno vive intensamente o mito da liberdade individual. Segundo Cova 1997, o homem nunca foi tão livre em suas escolhas, mas também nem tão solitário.
A solidão é um fenômeno psicológico com implicações profundas de ordem espiritual, podendo vir acompanhado de inquietação, desânimo, ansiedade, sensação de isolamento e desejo de ser útil a alguém. Ela agrega sentimento de perda e a sensação de que a vida perde propósito e sentido, independentemente de existir ou não isolamento social.
Para Filosofia o grande desafio é transformar a solidão em aliada de nossa realização pessoal. De acordo com a filosofia o ser humano nasce só, sua dor e prazer ele os tem nas entranhas do seu ser, e finalmente morre só.
Para a Sociologia a solidão é o resultado da produção social do indivíduo "Ego-centrado" e "Individualista", que ao afirmar sua individualidade, firma, também, a fragmentação do universo social e o isolamento
Para a Psicanálise a solidão é considerada um mecanismo de defesa, e encontra-se intimamente ligada às doenças mentais, ou seja, aos sintomas neuróticos e psicóticos.      A solidão é uma experiência dolorosa que tem assolado pessoas de todas as idades, raças, camadas sociais e crenças, já tendo sido considerado o grande mal deste século. O diagnóstico é do psicólogo americano John T. Cacioppo, diretor do Centro de Neurociência Cognitiva e Social da Universidade de Chicago (EUA) e autor do livro “Solidão: A Natureza Humana e a Necessidade de Vínculo Social”. Nessa obra o autor destaca como a vida moderna facilita a crescente falta de vínculos sociais. O sentimento é acompanhado de uma sensação de abandono, desamparo e angústia. Essa ausência de conexões com o mundo faz com que a pessoa se esqueça dos benefícios que a solidão pode trazer para suas vidas. 
Especialistas alertam: "um pouco de solidão pode até ser benéfico quando não necessário". Alguns indivíduos podem sentir-se pressionados pelo tipo de convivência imposto pela pós-modernidade, nesse caso, um pocado de solidão pode ajudar a enfrentar a sensação de desconforto.
Nesta perspectiva podemos compreender a solidão como um estado de consciência no qual nos voltamos para nós mesmos e analisamos nossa vida, nossas relações, sem o peso da culpa, pautada numa análise não crítica, sem julgamentos ou culpas, num movimento de reflexão sobre o que fizemos e as conseqüências de nossas ações. Dessa forma, a solidão pode ser uma oportunidade de autoconhecimento, de descobrirmos do que gostamos, queremos ou precisamos, bem como, dos recursos de que dispomos para alcançar nossos objetivos. É um modo de nos defrontarmos com o tumulto da pós-modernidade.
De acordo com estudiosos no assunto, o perigo é quando a opção pelo isolamento se manifesta sob formas patológicas, acompanhada de depressão, pânico e vícios, danosos à vida em sociedade.
            A solidão é um processo necessário para que possamos desenvolver nossa individualidade. O grande paradoxo é que também precisamos nos relacionar com os outros para nos individualizarmos. Esse é o grande dilema da vida pós- moderna, pois a sociedade atual instrumentaliza o homem, supondo dar todos os recursos para uma vida plena, porém, ao mesmo tempo, torna suas relações efêmeras. O resultado é um individualismo cada vez maior.
A Pós-modernidade caracterizou a “sociedade da solidão”, uma solidão nova, intermediada por tecnologia. Um processo em que os indivíduos passam a viver isolados em seus quartos, conectados com seus computadores, enquanto seus familiares estão na sala contígua interligados a outros computadores por meio da internet.
Essa nova configuração cria o espaço para a exacerbação de uma postura individualista apontando o EU como principio e fim de todas as coisas. O EU se vê prisioneiro de uma armadilha que revela sua condição de ser solitário.
A Pós-modernidade engloba uma sociedade de denominações diversas: sociedade das mídias, sociedade da informação, sociedade high-tech, sociedade eletrônica. A dinâmica social dessa sociedade é marcada pela ênfase nas novas tecnologias da informação e possui características que nos levam a entender as novas formas de sociabilidade do “sujeito pós-moderno.
O indivíduo é levado à solidão e lhe são fornecidos mecanismos que fazem com que acredite piamente em uma interação social, mesmo que essa só ocorra por meio de dispositivos técnicos, de forma virtual.

Profa. Dra. Edna Paciência Vietta
                  Psicóloga Clínica

2/14/2012

Procrastinar versus Postergar

                                                     

Procrastinar é o deferimento ou adiameno de uma ação, significa deixar para amanhã, “empurrar com a barriga”, postergar. No entanto, a quem diga que Postergar e Procrastinar, etimologicamente, tem significados opostos. Postergar significa deixar pra trás. E procrastinar quer dizer adiar, ou seja, jogar pra frente. A procrastinação em si não é uma doença, embora esteja relacionada a função executiva podendo estar relacionada a falta de volição, de iniciativa, de planejamento, de organização, podendo aí se configurar como sintoma de doença como no caso do TDA/H, Transtorno de Deficit de Atenção, na depressão quando falta energia. Nesses casos a pessoa não consegue se concentrar para realizar tarefas ou para realizá-la a contento ou para concluí-la.
Procrastinação é o ato de esquivar-se de uma tarefa que necessita ser realizada. É o mau hábito de deixar para amanhã o que pode ser feito hoje. Isto pode nos levar a ter sentimentos de culpa, desajuste, depressão e baixa autoestima. Pode causar ainda, preocupação, irritabilidade, sensação de fracasso, expectativa ruim, mal-estar e angústia inexplicável.  As conseqüências desse mau hábito podem ser danosas, como o insucesso profissional e a frustração nos assuntos e negócios particulares: perdas de oportunidades financeiras, afetivas.
Embora a procrastinação possa ser vista como uma forma de preguiça, ela surge por razões variadas, incluindo: frustração, fuga de experiências negativas, falta de capacitação, medo de comentários e avaliações de terceiros, hostilidade à tarefa ou à pessoa que a solicitou, pessimismo, depressão, passividade ou acomodação, medo de rejeição, baixa tolerância às frustrações, sentimento de injustiça, sobrecarga de responsabilidade e pressão. 
O medo de enfrentar determinadas situações pode fazer com que a pessoa adie tarefas ou decisões, às vezes decisivas para a vida dessas pessoas.
A causa da postergação pode ser, também, por perfeccionismo, nesse caso, o postergador pode pensar que não fez o melhor que poderia fazer, ou achar, por exemplo, que seu trabalho nunca está suficientemente bom para ser entregue. Pode ficar paralisado pensando nos aborrecimento que terá na execução de uma tarefa tediosa e cansativa. Pode sentir-se esmagado pela complexidade e tamanho da tarefa e com medo de falhar. Como resultado, gasta muito de seu tempo angustiado com o que tem a fazer, ao invés de agir. Se tiver dificuldade de concentração: pode ficar sonhando, flutuando no espaço, navegando pela Internet sem propósito, etc, ao invés de se dedicar a alguma tarefa. Geralmente não sabe administrar com inteligência o tempo, não sabe estabelecer prioridades ou esta inseguro quanto a elas. Como resultado, se dedica a tarefas menos importantes, sem objetivos, metas e planejamento. Pode ser que a falta de disciplina e de organização o impeça de produzir.
Podemos dizer ainda que a imauridade é fotor preponderante para a atitude de procrastinar ou postergar. É sabido que nem todas as tarefas da vida são necessariamente prazeirosas, mas, algumas delas podem ser impresíndíveis e assim,  nem sempre podemos nos dar ao luxo de não cumprí-las, caso não possamos delegá-las.
Ainda, não se descartando também, a presença de certos Transtornos Mentais como: Depressão, TDAH, Transtorno Obsessivo-compulsivo, Fobia Social, e outros problemas emocionais como: dificuldades financeiras, conflitos no trabalho, desmotivação, problemas familiares ou amorosos, ou mesmo físicos como, por exemplo, anemias, depressões, problemas hormonais.
Na verdade, todos nós queremos evitar a dor ou o incomodo de fazer algo que sentimos ser maçante, injustificado, difícil, complicado, ou até mesmo, emocionalmente doloroso. Por isso, adiar tarefas, planos e sonhos são muito mais comuns do que se pensa.
 A procrastinação pode aparecer ainda como uma manifestação contra excesso de autoridade, ou seja, contra tudo aquilo que é imposto, seja por superiores, pais, professores, chefes, onde não há espaço para argumentos. Enfim, há vários motivos pelos quais procrastinamos: baixo nível de energia, alto nível de stress, saúde debilitada, medo, receio, preguiça, até mesmo rebeldia, quando algo nos é imposto como obrigação.
Há Vários tipos de procrastinador: Procrastinador emocional: o que não consegue fazer nada que não atenda suas aspirações de satisfação imediata. Procrastinador estressado: O que fatalmente provoca acúmulos, adiamentos, delongas. O grande problema do estressado é não confiar em suas próprias habilidades. Procrastinador confuso aquele que é incapaz de priorizar tarefas e ações. Procrastinador atemporal: o que não tem noção de tempo. Procrastinador preguiçoso: o que acha que nada é mais importante do que seu conforto. Procrastinador folclórico: o que se orgulha de ser o que deixa pra depois só para ser diferente.
O problema com a procrastinação é que ela se auto-alimenta. Quanto mais adiamos algo, mais resistentes ficamos. Até que adiar deixa de ser uma opção e somos obrigados a correr atrás do prejuízo.

Profa. Dra. Edna Paciência Vietta
      Psicóloga Clínica

Procrastinação



 

Transtornos de Ansiedade

                                             
                                             

Todos os Transtornos de Ansiedade têm como manifestação principal um alto nível de ansiedade. Ansiedade é um estado emocional de apreensão, expectativa de que algo ruim aconteça acompanhado por várias reações físicas e mentais desconfortáveis.
Segundo estudos recentes os transtornos de ansiedade compreendem: a Ansiedade Generalizada, as Fobias, a Síndrome do Pânico, o Transtorno Obsessivo-Compulsivo, a Ansiedade Associada à Saúde e Hipocondria e o Transtorno de Estresse Pós-Traumático. Dentre os Transtornos de Ansiedade, o Transtorno do Pânico vem aumentando de forma preocupante e está entre os quadros mais freqüentes e incapacitantes para vida do indivíduo, gerando isolamento e afetando negativamente sua vida com prejuízos de âmbito pessoal ao social, afetivo e profissional.
Na Síndrome do Pânico o paciente pode se tornar Agorafóbico, ou seja, vivenciar ansiedade em espaços aberto, em decorrência de uma forma subjetiva de processar ou representar esses espaços.  O portador de síndrome de pânico pode reagir em determinada situação com ansiedade incontrolável, taquicardia ou arritmia, que é interpretado por ele como sinal iminente de ataque cardíaco, enquanto uma pessoa não fóbica diante da mesma situação pode reagir de forma neutra ou com grau de ansiedade normal.
Dentre os sintomas apresentados na crise de Pânico, destacam-se: falta de ar, taquicardia, tremores, vertigens, tonteiras, sudorese, náuseas, formigamentos, pernas bambas, dor no peito, etc., bem como ideações relacionadas ao pavor de morte por asfixia ou ataque cardíaco, de ficar louco, de perder os sentidos ou da perda total do controle.
Segundo estudos realizados pelo National Institute of Mental Health, aproximadamente um terço das pessoas com transtorno de pânico tornam-se Agorafóbicas,  evitando situações e lugares em que possa haver  menor probabilidade de obterem ajuda, caso sejam acometidas por um novo ataque de pânico.
O portador desses transtornos apresenta tendência aumentada a cometer distorções de pensamentos, processando seletivamente sinais de ameaça, superestima sua vulnerabilidade, focaliza sua atenção em preocupações na tentativa de controlar o estímulo ameaçador. Seus pensamentos refletem uma negatividade ou pessimismo geral e são orientados para o futuro, em forma de pensamentos antecipatórios catastróficos. Segundo o modelo cognitivo, o ponto central para a experiência subjetiva de ansiedade diante de um evento, não seria o evento em si, mas a atribuição de um significado ameaçador ou perigoso do evento pelo sujeito. No caso específico dos Transtornos de Ansiedade, a experiência de ansiedade decorreria de uma atribuição exagerada de ameaça ou perigo a eventos que outros poderiam processar como neutros. 
Ao tratar o paciente ansioso, o terapeuta cognitivo tem como meta levá-lo a buscar interpretações alternativas às suas interpretações catastróficas, capacitando-o a melhor avaliar esses eventos com maior realismo.
Com base na teoria cognitivo-comportamental podemos identificar um perfil cognitivo típico para o portador de um Transtorno de Ansiedade. Efetivamente, em termos de estruturas cognitivas, o ansioso apresenta crenças disfuncionais focalizadas em ameaça física ou psicológica, que refletem um sentido de vulnerabilidade. Nessa perspectiva o ansioso processa seletivamente sinais de ameaça, derivados de superestimação da própria vulnerabilidade, descartando elementos contrários. Sua atenção focaliza pensamentos disfuncionais (ameaças ou perigos a si ou a pessoas significativas) desencadeando ansiedade antecipatória. Exemplos mais comuns são: se o indivíduo tem que se expor publicamente (e se me der branco?), ou (e se eu fizer fiasco), Se for a uma prova de concurso ou de seleção de emprego ( e se eu deixar transparecer minha insegurança?), ( e se o entrevistador não for com a minha cara?), ( e se eu tremer,  me travar, gaguejar?, etc.), se for uma paquera (e se a garota me rejeitar?) se for medo de enfrentar o elevador (e se o elevador parar?) ( se a força acabar?), (se eu tiver pânico dentro do elevador?). Esse pessimismo dá origem ao caráter excessivamente catastrófico de suas interpretações.

Prof. Dra. Edna Paciência Vietta
           Psicóloga Clínica

Transtorno de Deficit de Atenção TDA/H em Adulos -   Profa. Dra Edna Paciência Vietta - Psicóloga - Ribeirão Preto

Os sintomas principais do TDAH, como desatenção, impulsividade e hiperatividade, aparecem já na infância (ao redor dos 7 anos) e se não tratados adequadamente, levam ao prejuízo do desempenho do portador como um todo. Nos adultos, os sintomas de TDA/H se ocultam, com frequência, por trás de problemas de relacionamentos interpessoais, incapacidade de organização, alterações de humor, abuso de substâncias químicas, dificuldades no trabalho e outros problemas emocionais

Transtorno de Deficit de Atenção TDA/H em Adulos: http://viettaed23.blog.terra.com.brhttp://www.psi...

Transtorno de Deficit de Atenção TDA/H em Adulos: http://viettaed23.blog.terra.com.br
http://www.psi...
: http://viettaed23.blog.terra.com.br http://www.psicomundo.com/directorio/usuarios/ver/id/23
http://viettaed23.blog.terra.com.br
http://www.psicomundo.com/directorio/usuarios/ver/id/23

2/12/2012

                                               

Psicoterapia Breve: recurso eficiente e econômico.

Psicoterapia é um processo de tratamento para problemas de ordem emocional ou mental que, utiliza-se de abordagens psicológicas, propiciando condições favoráveis para o autoconhecimento, facilitando a compreensão de possíveis influências do meio na determinação de problemas e conflitos emocionais. É um procedimento de base científica que visa ajudar a pessoa a captar recursos internos e externos para solucionar problemas ou enfrentá-los de forma adequada e sadia. Nesse processo que se estabelece na relação entre paciente e terapeuta o paciente tem oportunidade de desenvolver uma real percepção de si mesmo, de seus comportamentos, atitudes, pensamentos e sentimentos. É a oportunidade que a pessoa tem de identificar e reconhecer seus defeitos, qualidades e potencialidades e aprender a utilizá-los a seu favor. Nem sempre as pessoas conseguem fazer essa auto-observação e sofrem por desconhecer as razões pelas quais agem desta ou daquela maneira.
A psicoterapia busca fornecer condições para que a pessoa, dentro de seu próprio referencial (e não do terapeuta) apreenda suas reais características de personalidade, potencialidades, dons, talentos, capacidades, preferências, qualidades e limitações e as direcione de forma construtiva.
A psicoterapia tem hoje, seu uso difundido e conta com várias linhas de abordagens diferentes. As mais difundidas são as de base psicanalítica, que surgiram com trabalhos de Sigmund Freud na virada do século XIX para século XX, com vários seguidores e dissidentes como Adler, Melaine Klein, Bion, Lacan e outras, também difundidas no Brasil como o Psicodrama, Psicologia Analítica de Jung, Análise Existencial, com vários representantes, entre eles psiquiatras e psicólogos.
 Algumas psicoterapias já foram testadas dentro de um modelo empírico, entre elas, a Psicoterapia Breve, a Terapia Interpessoal e a Terapia Cognitivo-comportamental, estas última muito difundidas na Europa. 
A vida moderna e o poder aquisitivo das pessoas demandam por serviços cada vez mais eficientes e em tempo reduzido para resolução de problemas de qualquer natureza. Limitações econômicas e pouca disponibilidade de tempo são fatores que interferem de forma decisiva na hora de buscar ajuda psicoterápica. A perda de valores vitais, a constante cobrança e exigências em termos de realização humana, o baixo poder aquisitivo e alto custo de tratamentos especializados, têm restringido certas práticas médicas e psicológicas a poucos privilegiados.
Adaptações técnicas às atuais condições do mundo Pós- Moderno carecem cada vez mais de especialistas nesta área, com conhecimentos profundos e consciência social.
O grande desafio do século XXI é a procura de soluções de problemas e conflitos pessoais e sociais de forma adequada, eficiente, rápida e econômica.
A Psicoterapia Breve é um desses recursos, pois visa atingir os problemas emocionais mais prementes que possam ser solucionados em curto prazo. Sua eficácia depende, sobretudo, da motivação do cliente e sua disposição em mudar. Esta é a chave para se obter resultados positivos satisfatórios nesta abordagem.
A Psicoterapia Breve trata-se de um modelo de terapia, com objetivos específicos. Apesar do termo “breve” remeter à idéia de tratamento de curta duração, esse tipo de terapia possui outras características, entre elas, a do estabelecimento de um foco, ou seja, suas ações são voltadas para as queixas principais (motivos da procura), estando centrada na superação de sintomas e vivências atuais e para a solução de conflitos que se configuram como prioridades para o cliente. Outra característica é que por conta da emergência/urgência e/ou importância do problema focal há maior atividade do terapeuta (intervenção mais ativa) exigindo do terapeuta a capacidade de associar o rigor da técnica ao referencial teórico. Trata-se de técnica, com características próprias e não simplesmente encurtamento do processo psicoterápico. Envolve o uso de técnicas focais e a vivência de “experiências emocionais corretivas”, exigindo treino e experiência específica por parte do terapeuta.
Por “experiência emocional corretiva” se entende a possibilidade do cliente reviver situações traumáticas do passado, sentimentos reprimidos, agora experimentados na relação com o terapeuta, num contexto de segurança, aceitação e ausência de censura. A partir desta interação o cliente pode chegar à reformulação, reparação ou superação de seus conflitos.
Cabe ao terapeuta o acompanhamento e avaliação da evolução do processo e, em casos de necessidade de aprofundamento, seja por insuficiência de domínio das tensões ou por opção do cliente em dar continuidade ao processo de autoconhecimento, a reformulação das bases de atendimento e o preparo do cliente para etapas consecutivas.


                        Profa. Dra. Edna Paciência Vietta
                                            Psicóloga

Sintomas do TDA/H em adultos

                                                           


                                                          Sintomas do TDA/H em adultos
A existência da forma adulta do TDA/H foi oficialmente reconhecida apenas em 1980 pela Associação Psiquiátrica Americana. E, desde então inúmeros estudos têm demonstrado a presença do TDAH em adultos. Acredita-se que em torno de 60% das crianças com TDA/H mantêm o quadro na vida adulta, porém com sintomas em menor número. O TDA/H é uma disfunção crônica, herdada na grande maioria das vezes, daí sua presença desde a infância. Não surge na vida adulta, sempre esteve presente só não foi detectado ou adequadamente tratado. Na vida adulta suas manifestações são dificilmente diagnosticadas como TDAH, sendo muitas vezes tratado por seus sintomas de forma isolada como: distúrbios da ansiedade, depressão (distimia), irritabilidade, agitação, nervosismo, intolerância. Muitas vezes confundido com Transtorno Bipolar é de difícil diagnóstico dado suas comorbidades, freqüentemente presentes no TDAH adulto.
Os sintomas característicos TDAH em adultos são: dificuldade de organizar e planejar atividades do dia a dia, dificuldade em priorizar atividades. Tendem a ficar “estressados” quando se vêem sobrecarregados, assumem vários compromissos diferentes ao mesmo tempo, por não saberem por onde começar. Deixam trabalhos pela metade, interrompem o que estão fazendo para começar outra coisa, só voltando ao trabalho anterior bem mais tarde ou por vezes, se esquecendo de voltar a eles. Têm dificuldades para realizar tarefas sozinhos e precisam ser lembrados pelos outros de suas responsabilidades. Apresentam dificuldade em assistir uma palestra, ler um livro, sem que sua cabeça “viaje” para bem longe perdida, num turbilhão de pensamentos. Mostra dificuldades em manter a atenção no diálogo com as pessoas, parecendo não escutar o que os outros dizem ou ignorando o que diz seu interlocutor.
As características do déficit de controle dos impulsos em adultos com Distúrbio de Déficit de Atenção se apresentam da seguinte forma: agem por impulso em relação a compras, na tomada de decisões, em assuntos importantes, em rompimento de relacionamentos, por vezes, se arrependendo em seguida. Apresentam reações em curto-circuito, com rápidas e passageiras explosões de raiva, tipo "pavio curto", São hiper-sensíveis à provocações, críticas ou rejeição; são impacientes e têm grande dificuldade de esperar; mostram baixa tolerância à frustração e oscilação de humor.
As conseqüências existenciais do portador de Déficit de Atenção, principalmente em adultos, seriam: adiamento crônico de tarefas ou compromisso, ou seja, dificuldade de iniciativa ou atitude de procrastinação; alcoolismo e abuso de drogas; baixa auto-estima e um sentimento crônico de incapacidade, pessimismo; tempo excessivo na execução de algum trabalho, devido em parte ao sentimento de insuficiência; depressões freqüentes; difícil sociabilidade, dificuldade em manter relacionamentos duradouros; mau desempenho profissional, apesar de bom potencial; tendência a culpar as outras pessoas por suas dificuldades e erros.
O portador de TDAH tem dificuldade em avaliar seu próprio comportamento e o quanto isto afeta os demais à sua volta, sendo por isso, muitas vezes, considerados “egoístas”. Na verdade necessitam de cuidados e tratamento.
São pessoas de bom nível intelectual, geralmente com alguns talentos significativos.
Profa.Dra.Edna Paciência Vietta
Psicóloga Clínica

TDA/H - um transtorno e muitas comorbidades.

                                                               
                
Nossa experiência como psicoterapeuta tem nos mostrado que a maioria dos adultos com características de TDA/H (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) buscam ajuda na psicoterapia quando apresentam Transtornos de Ansiedade (Fobia Social, Transtorno Obsessivo-compulsivo, Pânico, Depressão), Transtorno Bipolar (transtorno de humor depressão e/ou euforia), alcoolismo, dependência química, e outros quadros.
O TDA/H em adultos tem sido visto como uma doença camuflada, devido ao fato de os sintomas serem mascarados,  ou seja, problemas caracterizados por comorbidades (presença simultânea de dois ou mais transtornos num mesmo período de tempo). 
Os sintomas principais do TDA/H, como desatenção, impulsividade e hiperatividade, aparecem na infância (ao redor dos 7 anos)  e causam prejuizos para o desempenho da criança como um todo. Nos adultos, os sinomas se ocultam, geralmente, por trás de problemas de relacionamento interpessoais, desorganização, falta de motivação, postergação de aividades, oscilação de humor, abuso de substâncias químicas, automedicação, dificuldades no trabalho e outros problemas emocionais. 

Estudos demonstram que o portador de TDA/H apresenta o distúrbio desde a infância, ou seja, o distúrbio esteve sempre presente, persistindo na vida adulta com comprometimento significativo na vida acadêmica, profissional, conjugal, familiar e social.
As queixas apresentadas pelo portador de TDA/H estão geralmente impregnadas de fatos e acontecimentos que nada mais são que prejuízos ou conseqüências advindas do fato de o transtorno não ter sido tratado na infância. Essas queixas se manifestam através de crises conjugais, divórcios, dificuldades em se fixar no emprego, incapacidade de terminar o que começam (o sujeito requer pressão para concluir tarefas), dificuldades em estabelecer prioridades, desorganização e procrastinação, estão sempre em busca de novidades e grandes emoções, trocam de tarefas continuamente, ou seja, tem necessidade de variar. São pessoas desatentas, com dificuldades em se definir por uma profissão, desmotivadas, inconstantes nas relações, fazem muitos planos, mas não concluem nada, muito potencial, às vezes, até muita criatividade, mas, pouca realização, dificuldade de concentração, descontrole financeiro (gastos excessivos), impulsividade, sensações subjetivas de inquietação, impaciência, baixa tolerância à frustração, baixa auto-estima, hipersensibilidade às críticas; irritabilidade, preocupação excessiva, dificuldades para pensar e se expressar com clareza.
Apesar de serem identificadas numerosas semelhanças entre as características de comportamento nas crianças e em adultos com TDA/H, foram feitas várias distinções. Uma delas é a redução em níveis globais de hiperatividade entre adultos.
Adultos com TDA/H não se dão conta quanto a suas dificuldades de atenção, mesmo porque sempre foram dispersos e desatentos, erram repetidamente, perdem coisas, têm dificuldades para se lembrar o que acabam de ler, necessitam perguntar várias vezes a mesma coisa e evitam leitura que não seja de seu interesse específico. São também, capazes de dormir ou desligar diante de assuntos que não lhe interessam diretamente. Preferem atividades rápidas e trabalhos práticos. Muitas vezes se dedicam às atividades que exige pouca atenção e concentração, mostrando uma clara dificuldade para conseguir o mínimo de concentração suficiente para manter qualquer tarefa.
O diagnóstico é basicamente clínico sendo de grande importância a história da pessoa a ser investigada cuidadosamente, através de entrevistas com um ou mais membros da família, pois é bastante comum a falta de atenção desses pacientes até mesmo para o próprio comportamento. A vida escolar deve ser bem examinada, no entanto, embora não raro a pessoa bem dotada intelectualmente possa compensar o déficit da atenção e ter bom rendimento nos estudos. O transtorno não impede de forma absoluta a concentração, alguns indivíduos são capazes de um bom desempenho na área do trabalho, porém à custa de muito esforço compensatório, estabelecimento de algumas estratégias de funcionamento e de alto grau de interesse, enquanto em todos os outros momentos, a atenção pode falhar de forma significativa.
Para o diagnóstico, é importante lembrar que o TDA/H é uma condição que acompanha a pessoa desde a infância, ou seja, ninguém fica TDA/H depois de adulto. Cabe lembrar ainda, a possibilidade de uma gama variável de intensidade do quadro clínico, indo desde casos leves ou discretos até casos graves com intenso comprometimento funcional.
No caso de adultos casados, com freqüência algumas intervenções necessitam ser realizadas com o cônjuge. Existem também várias recomendações que podem ser fornecidas ao paciente, de acordo com cada caso em particular, que amenizam suas dificuldades no dia-a-dia. A terapia recomendada é associação de Técnicas Cognitivo-Comportamentais e Tratamento Medicamentoso.

Profa. Dra. Edna Paciência Vieta
 Psicóloga Clínica



                               Profa. Dra. Edna Paciência Vietta
                                             Psicóloga Clínica